“Disponível também em K-7”

Fazia diferença, quando o álbum existia nas duas versões – vinil e K-7.

Era só a questão de ter o tape portátil, o tape no carro, ou até mesmo o walkman – a vida com fitas nos permitiu a mobilidade em termos de som.

Na casa da minha avó, a sala de músicas tinha piso de tábua de madeira – quando os tios colocavam o disco para ouvir – nós, crianças  tínhamos que ficar sentados ouvindo — pois andar sobre aquele piso – podia fazer a vitrola “pular”.

Com o K7 isso obviamente não acontecia,  porém o som não era o dos mais puros.

Às vezes, era melhor ter o disco original e gravá-lo em uma fita virgem – do que comprar a fita original da gravadora.

Com o tempo, os tapes foram ganhando mais e mais espaço em nossas vidas – devido praticidade e de novo, a mobilidade.

Tocadores de fitas viravam duplo deck, facilitando a cópia de fita-pra-fita. E assim, foram anos de produção de playlists próprios.

Fitas virgens das mais variadas marcas e tempo de duração – fazia nossa coleção.

Nossas prateleiras tinham-nas armazenadas em ordem de gravação, numeradas, com as músicas descritas nas etiquetas a lápis – caso houvesse regravação. Quando a música era muito boa, mas muito boa mesmo – era gravada 2x na sequência, para ouvir repetidamente – sem precisar voltar.

O cheiro da fita, o barulho da fita rebominando, o problema que ela dava ao enroscar. Únicos.

VideoHits foi a minha primeira – aos 6-7 anos.

Verdadeiros, putzhits.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: