Não tem quem escape.

  Começa numa explosão de felicidade recheada de presentes vindos da fada, da pombinha, do ratinho e mais do que de repente o mundo de leite vira permanente. Sem mandar presente, sem um lembrete. Porém a banguelice é bonitinha…(no começo). Alguns dentes caídos me valeram a troca por LPs da Rita Lee. Esse acúmulo –  era oContinuar lendo “Não tem quem escape.”